SINDIBOR

DADOS DO SETOR

O Cenário Econômico da Indústria

A economia brasileira iniciou o ciclo recessivo a partir de 2014, mas a indústria vem perdendo fôlego muito antes disso. O último ano de crescimento vigoroso da atividade industrial foi 2010, portanto o setor já vem enfrentando dificuldades há mais de sete anos. A queda da produção física da indústria se refletiu também no emprego. Nos últimos quatro anos, a indústria brasileira perdeu aproximadamente 1,1 milhão de empregos formais. A volta ao campo positivo da geração do emprego está acontecendo de forma gradativa, mas ainda de maneira bastante tímida.

A crise da indústria possui fatores conjunturais de curto prazo relacionados a forte queda da atividade econômica desde 2014. No entanto, possui fatores estruturais que prejudicam sua competitividade há muito mais tempo, explicando em parte a forte perda de participação no PIB brasileiro. Podemos citar, por exemplo, o descompasso cambial, a elevada carga tributária e a taxa de juros brasileira entre outros.

Imaginemos um produto que custasse R$ 100 em janeiro de 1995. Caso esse produto fosse corrigido pelo índice oficial de inflação brasileiro (IPCA), ele custaria em dezembro de 2017 R$ 390. Se esse produto vendido aqui no Brasil for importado, então sua variação de preço acompanha a cotação do câmbio, custaria em dezembro de 2017 R$ 333. Por outro lado, se esse produto fosse corrigido pelo custo de produção no Brasil (IPA-FGV) esse mesmo produto custaria R$ 609.

A elevação do custo de se produzir no Brasil combinado com a valorização cambial, que tornou o produto importado mais barato, aumentou muito a penetração destes no mercado nacional. A consequência foi a perda da importância da indústria na economia brasileira. O PIB da Indústria de transformação já representou quase 22% do PIB em meados de 1985, perdeu 41% de sua participação desde então e deverá encerrar 2017 por volta de 11%. Um número muito baixo quando comparado com outros países com características semelhantes ao Brasil.


Projeções da Atividade Industrial para 2018

As principais projeções para a Indústria em 2018 apontam para um crescimento do PIB Industrial da ordem de 3%, o que não deixa de ser uma ótima notícia frente às perdas recentes, mas ainda está longe do necessário. A recuperação da atividade econômica de forma disseminada deve se intensificar ao longo de 2018, dessa maneira, os resultados mensais negativos, ainda frequentes em 2017, deverão ficar cada vez mais raros, consolidando assim um crescimento robusto. A variável chave nesse processo será a continuidade de um programa de gestão macroeconômica responsável, que pode ser influenciado pelos resultados das eleições em outubro de 2018.


Destaques Setorial 2019 e Destaques da Indústria 2019

QUER SER UM ASSOCIADO SINDIBOR?